‘Governo manipula números da Previdência’, diz procurador

Publicado em: 4/02/2018 | 12:26

 Juízes e membros do MP farão protesto. Carta será entregue à Carmén Lúcia
Poder 360 - Os juízes e procuradores apresentarão carta aberta à presidente Cármen Lúcia com críticas: 1) à reforma da Previdência; 2) à lei de abuso de autoridade e 3) ao projeto de lei que criminaliza a violação de prerrogativas de advogados. Depois irão à Câmara discursar contra as matérias que tramitam na Casa.
Segundo Robalinho, o governo faz uma propaganda mentirosa da reforma da Previdência e “demoniza” os funcionários públicos ao tratá-los como 1 dos empecilhos à votação do projeto.
“Isso não é uma discussão séria. Poderia ter sido feita com honestidade intelectual muito maior. Os números que o governo apresenta, ele manipula. Por toda essa situação que achamos que a reforma da Previdência não está pronta para ser votada e deverá ser discutida com muito mais tranquilidade, sem esse clima de Fla-Flu que foi colocado pelo governo. Não é à toa que o governo está fracassando no Congresso. Está fracassando porque ninguém confia nos números que ele apresenta, porque manipula diante dos senhores e da opinião pública”, afirmou o procurador.
Prisão após 2ª Instância
Robalinho disse ainda que seria 1 retrocesso brutal uma eventual mudança na jurisprudência adotada pelo STF. O tom foi corroborado por presidentes de associações de juízes como Anamatra, Ajufe e AMB.
discutir é obrigação: “É uma absoluta jabuticaba. Acho que os defensores, inclusive no STF, têm a obrigação de enfrentar o tema (…) é uma anormalidade que só existe no Brasil[só prender após o trânsito em julgado]. Seria 1 retrocesso brutal se o Supremo retroceder nessa dessa posição”, disse Robalinho.
retrocesso: “A decisão do STF de determinar ou permitir o inicio do cumprimento da pena logo após a decisão de 2ª instância foi um avanço na estrutura judicial brasileira. Reavaliar isso para permitir o inicio de cumprimento da pena somente depois do transito em julgado será um retrocesso”, afirmou Roberto Veloso, presidente da Ajufe.

é normal: “É muito natural que alguém sempre saia insatisfeito de uma decisão judicial, o que não é normal é ataque ao poder Judiciário e agressões pessoais aos julgadores (…) Se ganha, o Judiciário é bom; se perde, a Justiça não presta”, disse Jayme Oliveira, presidente da AMB (Associação dos Magistrados do Brasil).Ex-presidente Lula
Veloso comentou ainda as declarações do ex-presidente Lula que afirmou não ver “nenhuma razão” para respeitar a decisão da 8ª Turma do TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região).
“A lei deve ser respeitada e quem zela pelo cumprimento da lei é o Poder Judiciário. Ficamos extremamente preocupados quando alguém diz que não vai cumprir uma decisão judicial. E o ex-presidente Lula ainda terá oportunidade de muitos recursos, então esse tipo de argumento infelizmente não é bem-vindo nem pela magistratura nem pelo Ministério Público”, disse.
 
 

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.